Exposição "Transmudação" projeto Confluências: Arte em Intercâmbio 11 de  maio a 29 de junho de 2018

Angélica Lima, Biannca Alenca, Brian Castro, Bruno Cacuda, Santos, Gabriela Fernandes, Geuvar, Luciana Andradito, Solange Alves, Pablo Marquinho e T. Beraldi

Sobre a exposição

 

Concebida pelos artistas participantes do projeto Confluências: Arte em Intercâmbios 2017 / 2018 como ação de encerramento a exposição "transmudação" tem a curadoria, o projeto expográfico e o projeto educativo foi desenvolvido por eles colocando em prática os ensinamentos que adquiriram ao longo da formação. 

Texto curatórial

 O projeto Sesc Confluências: Arte em Intercâmbios tem como fio condutor a discussão, o mapeamento e a difusão das produções artísticas que acontecem à margem dos tradicionais circuitos partindo da arte brasileira. Agentes culturais, mediadores locais e visitantes contribuem nos encontros colaborativos para a análise dos contextos regionais de produção, possibilitando a identificação e o diálogo acerca dos circuitos, espaços, práticas, saberes, políticas, ideologias, tensões, convergências e particularidades de cada região.
 

 Partindo dessa proposição, artistas tocantinenses selecionados pelo projeto Sesc Confluências vivenciaram experiências de encontros singulares ao longo do ano de 2017, que os conduziram a outras formas de pensar os processos artísticos, dentre outros. O mediador Alexandre Siqueira, no encontro inaugural do projeto, em Palmas, provocou o grupo uma série de discussões sobre a atuação dos artistas locais, provocação essa que os colocou exatamente como protagonistas neste circuito. Vivências e trocas de experiências, como a da residência artística no município de Natividade-TO, marcaram tão profundamente a formação artística do grupo, de modo que ficou possível notar seus vestígios permeando a finalização do projeto no arranjo da exposição coletiva “Transmudação”. Transmudação parte do conceito de mudança de lugar e estado, contrapondo-se ao estático e à conservação, fazendo referência ao processo de transformação de pensamento e do próprio fazer artístico vivenciado pelo grupo de artistas. A exposição desenreda-se a partir de três segmentos: Imanência e Transcendência, Tempo e Memória, Fluxo e Palavra.

“Imanência e Transcendência” diz respeito à poética do corpo e sua individualidade, o esgotamento físico e mental gerado pelo trabalho, e as questões de gênero são colocadas diante de temas relacionados à espiritualidade, o que leva o espectador ao ponto onde o material e espiritual se atravessam. O caráter transcendente das obras sugere a reflexão de problemas do passado não superados, como o trabalho análogo à escravidão que persiste na contemporaneidade; temas que tratam da perspectiva para o futuro, como as representações de desenhos e esculturas de Mãe Romana do Sítio Jacuba, em Natividade-TO.

“Tempo e Memória” são suportes de planejamento da obra. Objetos e imagens são forjados no espaço seguindo uma divisão linear no tempo nos levando a atravessar outros presentes. Olhá-los significa desejar, esperar, estar diante do tempo. Nesse contexto, os artistas se propõem interrogar de maneira crítica, o tempo que compõe a obra de arte, visto que estamos diante de um presente que não cessa de se restabelecer pela experiência dialética do olhar.

“Fluxo e Palavra” trata da palavra como expressão, manifestação verbal ou escrita por um grupo de fonemas com significação, conjunto de sons articulados que expressam ideias e são representados pela grafia. Poesia visual, poesia colagem, poesia imagem, poesia a partir do drible do corpo aos obstáculos de um mundo conservador obcecado pela norma. Os afetos cortam as palavras, elas com seu forte poder evocativo orientam o olhar, organizam o pensamento, produzem imagens mentais que se relacionam e criam novos fluxos de imagens-palavras. A palavra em Transmudação também é suporte, conceito e ação na criação de obras de arte.

A exposição Transmudação marca o pulso do tempo na memória e no corpo. Trânsitos que alimentam a imaginação com palavras ressignificadas em imagens. Fluxos circulares, lineares, flutuantes e afetivos que confluem nas buscas espirituais e estéticas de cada artista da mostra.

Curadoria
Brian Castro, Luciana Andradito e Solange Alves
 

Sobre o projeto

O Sesc Confluências atua no fomento à pesquisa, prática e difusão nas artes visuais como incubadora artístico-cultural para o desenvolvimento de propostas que impulsionem novos fluxos poético geográficos.

Em encontros imersivos colaborativos, artistas, curadores, críticos, gestores culturais e estudantes de arte reúnem-se em laboratórios culturais com mediadores, indicados pelo Sesc, para criar projetos coletivos em artes visuais a partir de necessidades locais. Além de encontros, o Sesc Confluências prevê, como suporte a imersão cursos, palestras, oficinas ou outras consultorias indicadas pelos participantes.

Em formato bianual, em 2015-2016, foi realizado simultaneamente no Pará, na Paraíba, no Piauí, em Santa Catarina, em Sergipe e no Tocantins. Atualmente, está na edição 2017-2018 na Paraíba, no Piauí, em Sergipe e no Tocantins. E iniciando a edição 2018-2019 em Alagoas, no Maranhão, em Minas Gerais e em Pernambuco.

Atuando principalmente fora dos eixos convencionados da arte, chamados grandes circuitos, o Sesc Confluências colabora para uma análise localizada da produção artística contemporânea, contextualizando-a em fluxos, espaços, práticas, políticas, ideologias e tensões nacionais e internacionais. Lança mão, para isso, da reflexão coletiva e do intercâmbio de saberes, valorizando as diversidades e a singularidade das culturas regionais, convergindo a produção nacional contemporânea e fomentando as artes visuais de forma descentralizada.

Em um país de extensão continental, a diversidade artístico-cultural tem proporções equivalentes. Dessa forma, a difusão não hegemônica da cultura é essencial para garantir um sistema de arte democratizado a partir dos contextos regionais.

Entre as possíveis ações a serem produzidas estão a organização de catálogos, exposições, seminários e residências artísticas. O projeto gera também uma série de informações que fornecem subsídio ao Sesc para planejar a programação ofertada aos públicos de cada local, buscando ativar a cena e fortalecer o campo das artes visuais no país. 

                                                                           Informações e visitas mediadas:

Promotoria de Artes Visuais do Sesc
(63) 3212 9922 / artesplasticas@sescto.com.br
502 Norte, Avenida Lo 16, Conjunto 02, Lotes 21 a 26